segunda-feira, 23 de abril de 2018

Mais um Penca em Livramento.

Outro festival confirmado para o mês de maio, que já se mostra repleto de atividades nativistas.
É a Penca Musical, que acontecerá de 18 a 20 de maio, no CTG Presilha do Pago, em Sant'ana do Livramento.
Nos dias 18 e 19, está programada a 1ª Penca da Música Instrumental e nos dias 19 e 20, será a vez da 14ª Penca da Música Nativa.
O prazo para inscrições em ambos os eventos se esgota as 18 horas do dia 02/05/2018.
Para a Penca Instrumental, o material inscrito deve ser enviado para o email, pencainstrumental2018@hotmail.com  Poderão ser enviados no máximo 03 trabalhos do mesmo autor e/ou parceria.
A Comissão de Triagem e Julgamento selecionará 10 (dez) composições para serem
apresentadas no palco do festival nas duas noites eliminatórias, dividindo-se em 05 composições por noite, que concorrerão às premiações estabelecidas no regulamento da “1ª Penca da Música Instrumental”.

Os autores de cada música concorrente, receberá o valor de R$ 1.000,00 (um mil reais) a título de cachê. Não haverá premiação em dinheiro, apenas troféus aqueles que se destacarem nas seguintes categorias: Primeiro Lugar; Segundo Lugar; Terceiro Lugar; Melhor Melodia; Melhor Instrumentista; Melhor Arranjo.

As atividades continuam nos dias 19 e 20 de maio, com a realização da 14ª Penca da Música Nativa, festival de música inédita para intérpretes amadores.
As inscrições deverão ser enviadas ou entregues no seguinte endereço: Av. 24 de maio nº 1312 - CEP 97.573-418 , aos cuidados de Rui Rodrigues .A comissão avaliadora selecionará 14 composições para se apresentarem no dia 19/05/2018, das quais, 12 serão apontadas como finalistas e retornarão ao palco do festival no dia seguinte. 

Não haverá cachês ou ajudas de custo. os destaques do festival serão premiados com troféus, de acordo com as seguintes colocações: Primeiro Lugar; Segundo Lugar; Terceiro Lugar; Melhor Arranjo, Melhor Melodia, Melhor Intérprete, Melhor Instrumentista, Melhor Conjunto Instrumental, Melhor Letra e Música Mais Popular.

Fonte: blog ronda dos Festivias

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Classificadas no 33º Carijo da Canção Gaúcha

A HISTÓRIA DO TAURA
MILONGA
ANGELO FRANCO MOREIRA SARMENTO
Porto Alegre - RS
ANGELO FRANCO MOREIRA SARMENTO
Porto Alegre - RS

A VIDA EM PRETO E BRANCO
MILONGA
TÚLIO SOUZA
Uruguaiana - RS
ARISON MARTINS
São Vicente do Sul - RS

BATALHA DA RAMADA
CHAMAMÉ
CLAUDIO REINKE
Santo Ângelo-RS
EDUARDO MAYCA
Entre Ijuís-RS

CARIJO DE SONHOS
CHAMAMÉ
PAULO RICARDO COSTA
Santa Maria-RS
TIAGO MACHADO
Canoas-RS


DO MEU RINCÃO
CHAMARRA
ANOMAR DANUBIO VIEIRA
Terra de Areia-RS
ANDRÉ TEIXEIRA
São Gabriel-RS

EMBUÇALADO
CHACARERA
OTAVIO LISBOA
Pelotas-RS
FABIANO BACCHIERI
Pelotas-RS

ENLUARADO
VANEIRA
LEONARDO BORGES
Santana do Livramento-RS
MARCELINHO NUNES
Santana do Livramento-RS

É CHEGADA A HORA
CHAMARRA
ROGÉRIO VILLAGRAN
São Gabriel - RS
JARI TERRES
Pelotas-RS

E PENSAVAS TU
TOADA
RÔMULO CHAVES
Palmeira das Missões-RS
JEAN CARLO MACEDO KIRCHOFF / REGIS REIS
Santa Maria/Tupanciretã-RS

FAZENDO MILONGA
MILONGA
SABANI FELIPE DE SOUZA
Santa Maria-RS
SABANI FELIPE DE SOUZA
Santa Maria-RS

FORTUNA
RASGUIDO DOBLE
PAULO OZÓRIO LEMES
Santana do Livramento-RS
ROBSON GARCIA
Santana do Livramento-RS

MINHA MORADA
MILONGA
ADELMIR DISCONZI
Santiago-RS
XUXU NUNES
Santiago-RS

NOBRE CAVALEIRO ANDANTE
MILONGA ARRABALERA
CARLOS EDUARDO NUNES
Cachoeira do Sul-RS
CARLOS EDUARDO NUNES
Cachoeira do Sul-RS

O NOSSO LEGADO
MILONGA
MARCELO PAZ CARVALHO/ ZÉ RENATO DAUDT
Três de Maio/Porto Alegre-RS
MARCELO CORTES DE CARVALHO
Cruz Alta-RS

O PRIMEIRO E O ÚLTIMO MATE
TOADA
RODRIGO BAUER
São Borja-RS
VANTUIR SANTOS CACERES
São Borja-RS

PERMANÊNCIA
MILONGA
RAFAEL MACHADO
São Luiz Gonzaga-RS
KIKO GOULART
Lages-SC

RENASCENDO EM CADA DIA
MILONGA
FLAVIO SALDANHA
Uruguaiana-RS
NILTON FERREIRA
Jaguari-RS

VANEIRITA
VANEIRA
RAFAEL FERREIRA
Vacaria-RS
MAICON OLIVEIRA
Lages-SC

SUPLENTES – FASE GERAL
CAMINHOS UNOS
CHAMARRA
JAIME BRUM CARLOS
Restinga Seca-RS
JAMESSON HOFFMANN ABREU
Vacaria-RS

ESTRADEIRO E TRANQUEADAOR
CHAMARRA
LEANDRO BENEDETTI
São Gabriel-RS
MAURO SILVA
São Gabriel-RS

QUEM SOU EU
MILONGA
JOSE ANTONIO GONÇALVES MORAES
Cruz Alta-RS
MAURO MARQUES
São Lepoldo-RS

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Nossa Senhora da Candelária do Ibicuí

Por Lisandro Lorenzoni¹ 

Antes de adentrar ao tema específico deste artigo, se faz necessário situar de maneira superficial, o processo colonizador da Espanha e os principais povos indígenas que habitavam a Província Jesuítica do Paraguai², criada em 1609. O território abrangia o Paraguai, Argentina, Uruguai e os estados brasileiros do Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Importante frisar que a exploração das terras na América espanhola ocorreram por etapas e os povos indígenas sofreram ação direta dos conquistados, com trabalho escravo aos encomenderos³, bandeirantes paulistas ou pela fundação das Reduções Jesuíticos-Guarani. 

Os Guarani dominavam uma vasta área territorial, que se estendia do Paraguai até o Rio da Prata. Não habitaram o planalto gaúcho, onde se encontravam os grupos Jê e, nem as planícies/pampa, território dos charruas e minuanos. Segundo dados arqueológicos, a tradição Tupi-Guarani estava presente nas matas subtropicais, que se estendiam ao longo do Rio Uruguai e seus afluentes, além do Rio Jacuí, litoral e suas lagoas. Muitos dos povos indígenas foram guaranizados, ou seja, eram de outros troncos e viviam em pequenas aldeias, mas por poder, alianças ou influência dos Guarani, adotaram seus hábitos e costumes. 


Em um primeiro momento a fundação de Reduções Jesuíticas, criadas através da palavra de Deus, agiram como salvação espiritual e física aos índios, mas seu principal objetivo era demarcar e proteger o território espanhol da potencial expansão dos lusos ao Rio da Prata. Na primeira fase ou ciclo missioneiro em solo gaúcho (1626-1637), foram fundadas 14 reduções e os povoados eram simples, instaurados com o intuito de convertê-los à fé católica, com igrejas construídas de madeira ou de taipa, enquanto as casas dos índios eram de pau-a-pique. Foi na Serra Geral ou região dos Tape (grupo indígena que dominava o Planalto Central, entre as bacias dos Rios Ibicuí e Jacuí), que adentrou o Padre Roque González de Santa Cruz. Aporta pela primeira vez pelos últimos contrafortes a Oeste desta Serra, entre os Rios Ibicuí e Itu, na chamada Coxilha do Boqueirão (Santiago). Na segunda vez, com a ajuda dos índios Tape, comandados por Nenguiru, Roque González partiu da margem esquerda do Rio Uruguai para lançar a semente das futuras Reduções Jesuíticas-Guarani. No dia 3 de maio de 1626 funda São Nicolau do Piratini, entre os Rios Ijuí e Piratini, a primeira redução em solo rio-grandense. 

Em 1627, um ano depois do seu primeiro intento, o Padre Roque González chega na confluência entre o Ibicuí com o Uruguai e não encontra nenhum aldeamento de índios em ambas às margens. Decide então subir de canoa cerca de 40 léguas (200 Km) pelo Rio Ibicuí, nas proximidades com a embocadura do seu principal afluente, o Rio Jaguari, onde na margem direita, encontra a aldeia do cacique Tabacã. Sendo bem acolhido pelos indígenas, ali funda a segunda Redução Jesuítica em terras gaúchas, erguendo-se com ajuda dos índios uma cruz de cerca de 40 pés e uma pequena capela feita de pau-a-pique e coberta de palha. Em homenagem a Maria Santíssima, o Padre Roque batiza a redução de Nossa Senhora da Candelária do Ibicuí. A Redução teve duração efêmera, pois quando voltou, Padre Roque foi informado que índios lindeiros ao Ibicuí, destruíram a capela, colocando fogo na cruz. 

Em carta ânua, Padre Roque faz referência ao ocorrido na Candelária do Ibicuí. “Assim que cheguei ao porto, onde havia começado a redução, mandei chamar os caciques vizinhos que logo vieram, entre eles, Tabacã, em cuja aldeia se cometera o sacrilégio e interroguei-o sobre o caso. Responderam-me que era verdade. Censurei-os com severidade, mas ele se desculparam, alegando que aquilo havia acontecido estando eles ausentes e longe dali. Pelo que, sendo grande a multidão de índios malfeitores, podiam cometer a salvo o delito”. O padre decidiu que não mais voltaria aquele lugar e reuniu os caciques dos Tape para conhecer o quão grande era seu território - não à toa o significado de Tape é povoação grande. Mas a Candelária permaneceu como referência geográfica, pois encurtava o trajeto para subir às outras missões, uma vez que bastava subir o Rio Jaguari e atravessar a Cordilheira do Boqueirão. 

O que hoje são terras de São Francisco de Assis também abrigaram a Redução Jesuítica de São Tomé do Ibiquiti, fundada em 13 de junho de 1632, pelo Padre Pedro Romero (superior das reduções do Uruguai), juntamente com os Padres Manuel Bertot e Luís Ernot. Sua localização ficava cerca de 500 metros de onde hoje existe a Gruta de São Tomé, próxima a ERS-241. Foi a primeira Redução Jesuítica da Província do Tape e chegou abrigar 7 mil índios. Em 1638, em virtude dos ataques constantes dos bandeirantes paulistas, os padres e os índios decidiram destruir a redução e migraram para a margem direita do Rio Uruguai, criando uma nova redução onde hoje é a cidade de São Tomé, na Argentina. Os descendentes destes que partiram da Redução de São Tomé deram origem ainda a Redução Jesuítica de São Francisco de Borja (1682), mais tarde município de São Borja. Esta redução foi a primeira do segundo ciclo, considerado a fase de ouro das missões em solo gaúcho. A constante luta entre o encomendero espanhol, o bandeirante luso e o jesuíta espanhol foi uma das causas para a Guerra Guaranítica (1750/1756), quando os exércitos luso e espanhol destruíram as reduções. Em 1768, por ordem do Marquês de Pombal, os jesuítas foram expulsos e gradualmente as reduções foram abandonadas. 

Por de fato: a célula mater étnica-cultural e histórica do Rio Grande do Sul se deve em grande parte a criação das Reduções Jesuíticas-Guarani. É o contato dos indígenas com o europeu luso-espanhol e com o negro, o núcleo-primeiro da formação que, a posteriori, dará origem ao homem sul rio-grandense - herança racial idealizada no gaúcho tradicional. 

(1). Lisandro Benvegnu Lorenzoni é jornalista, pós-graduado em Leitura, Literatura e Formação e assisense com muito orgulho. 
(2). A Província Jesuítica do Paraguai foi desmembrada da Província Jesuítica do Peru. Os jesuítas dividiram-na em quatro Frentes Missionárias: Paraguai, Itatim, Uruguai e Tape. 
(3). Espanhóis donos de terra com poder na sociedade colonial. Pagavam tributos à Coroa Espanhola. Os índios eram forçados a trabalhar nas fazendas e lavouras.

Consulta Bibliográfica:
Arquivo Geral da Índias 
Coleção Pedro de Angelis. Arquivo Nacional 

Zuse, Silvana. Os Guarani e a Redução Jesuíta. São Paulo. 2009

quarta-feira, 18 de abril de 2018

Encantadas da Canção Gaúcha inscrições abertas


Santa da Boa Vista te espera para mais um grande evento, a 6ª edição do Encantadas da Canção Gaúcha que levará nos dias 18 e 19 de Maio de 2018, grandes nomes da musica e da cultura do Rio Grande do Sul, além de bailes e shows, no CTG Tropeiro Velho, uma realização de ORFF Produção Cultural com apoio das empresas da região e patrocínio de Lei de Incentivo à cultura do Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Quem ainda não mandou suas musicas, faltam 02 dias para o fim das inscrições da 6ª edição do Encantadas da Canção Gaúcha! As inscrições se encerram as 00:00hs do dia 20/04.
Faça sua inscrição através do e-mail: encantadas2018@gmail.com

Nasce mais um festival CANDELÁRIA DA CANÇÃO GAÚCHA


Estivemos nesse dia 16 de Abril, em São Francisco de Assis, a comissão organizadora, tendo Paulo Ricardo Costa como Idealizador e Criador, juntamente com o Venâncio Azambuja Patrão do CTG Negrinho do Pastoreio, Rita Feliciani Ferreira Produtora Cultural, Moacir Gomes artista plástico criador da arte e material gráfico e Valdinei Marques divulgador do evento, levando aos órgão públicos o projeto aprovado pela LIC (Lei de Incentivo à Cultura) do Estado do Rio Grande do Sul, para a criação do festival CANDELÁRIA DA CANÇÃO GAÚCHA – 1ª Edição - que acontecerá nos dias 31 de Agosto, 01 e 02 de Setembro de 2018, na sede Social do CTG Negrinho do Pastoreio. Estivemos em reunião na Câmara de Vereadores onde procuramos à todos os nobres Edils para colocar o evento, bem como pedir o apoio de todos, ocupando o plenário por 20 minutos onde foi colocado não só aos vereadores, mas também a comunidade assisense. 

Após, reunimo-nos com o Prefeito Paulinho Salbego, na Prefeitura Municipal, onde colocamos o projeto e tivemos dele a certeza e o apoio para esse evento. Levamos também para algumas empresas do município para o financiamento desse que com certeza, será um grande passo na Cultura de São Francisco de Assis. 

A CANDELÁRIA DO IBICUI foi a 2ª Redução jesuítica no ano de 1627, mas durou pouco tempo, e esteve às margens do Rio Ibicuí, redução essa que merece mais estudos e a sua localização, só sabemos que foi umas das reduções que fez parte do território assisense. 


O Festival apesar de ser do CTG Negrinho do Pastoreio, mas também é um festival da comunidade assisense e precisamos do apoio de toda a comunidade, dos órgão e poderes constituídos para que, juntos, abraçados, possamos entregar mais três dias de muita arte e cultura no torrão assisense. 

O projeto está pronto, as ideias estão lançadas, mas sem o engajamento da Comunidade assisense, não há como fazer nada. Acreditamos muito no que fazemos e sabemos da importância desse evento, não só para São Francisco de Assis, mas para toda fronteira oeste que está um tanto esquecida em se falando de cultura. 
Quando plantamos sementes de uma árvore, talvez nem vamos poder usufruir de sua sombra e de seus frutos, mas temos a certeza que um dia seremos lembrados por ter feito algo para ajudar que precisar se alimentar dela e é com esse intuito que voltamos e lutamos para levar a cultura a nossa terra. 
Contamos com todos...e vida longa ao CANDELARIA DA CANÇÃO GAÚCHA – 


Comissão organizadora da Candelária da Canção Gaúcha

quarta-feira, 11 de abril de 2018

MÚSICAS CONCORRENTES NO 3º CANTO DO CHARÃO


Composições concorrentes na 3ª edição do festival Canto do Charão, que acontecerá nos dias 05 e 06 de maio, na cidade de Muitos Capões/RS.

Confiram:

1. O Meu Galpão é a Minha Gente
Gênero: Milonga
Letra: Leonardo Borges
Melodia: Alex Har 

2. Por Trás da Barba
Gênero: Milonga
Letra: Anderson Mireski
Melodia: Anderson Mireski

3. Cantar Opinando
Gênero: Vaneira
Letra: Carlos Hahn
Melodia: Rafael Zinho

4. Na Cura da Vaneira
Gênero: Vaneira
Letra: Daniel Bush
Melodia: Sergio Rosa

5. Quarador
Gênero: Canção
Letra: Sérgio Sodré Pereira
Melodia: Luciano Rodrigues/Halber Lopes

6. Ao Se Tratar de Cavalos
Gênero: Milonga
Letra: Igor Silveira
Melodia: Igor Silveira 

7. Ressábios de Saudade
Gênero: Milonga
Letra: Marçal Furian
Melodia: Edu Novakoski

8. Tava
Gênero: Chamarra
Letra: Mario Amaral
Melodia: Zulmar Benitez 

9. Nas Revoadas do Charão
Gênero: Chamarra
Letra: Jaquesson Minuzzo/Leandro Godinho
Melodia: Zulmar Benitez 

10. Cambona
Gênero:
Letra: Frutuoso Araújo
Melodia: Idalcir Peruchin

11. Mates e Amores
Gênero:
Letra: Loresoni Barbosa
Melodia: Márcio Correia 

12. Milonga Fronteira
Gênero:Milonga
Letra: Leandro Benedetti
Melodia: Bruno Teixeira

13. Laurindo Pedra
Gênero: Milonga
Letra: Juliano Costa dos Santos
Melodia: Kayke Mello 

14. Desde Então (Salso Chorão)
Gênero: Milonga
Letra: Juliano Costa dos Santos
Melodia: Kayke Mello

Fonte: Blog Ronda dos Festivais

segunda-feira, 9 de abril de 2018

E agora Luis? (Plageando o poeta)

E agora Luis?
A casa caiu...
A cortina se abriu,
O teatro começou!

Luis sem luz...
Carregando a cruz,
(Comparou-se a Jesus)
Blasfêmia ou rancor?

Luis dos pobres...
Sem terra e sem chão,
Do mundo pagão...
Que paga para ficar,
De fortunas ganhas...
Serás o boi de piranhas,
Para a tropa passar?

Luis que liberto...
Tem olhos de cobiça,
Senhores da justiça,
Que o justo nao pega,
Justiça que é cega...
Cumpra a sua pena,
O golpe o condena...
Solito te entrega.

É o fim, Luis...
E que triste final,
No Pais do banal...
Ja estava escrito,
Foi grande o delito,
Mãos na parede...
Caistes na rede...
Na teia do mal...
De Moro a moral,
As provas incertas,
Tu fotes o "bocaberta",
Chegou ao fim, afinal!

Apaga luz, aprendiz...
Som de cadeado,
Luis Condenado,
Porta trancada...
Paredes geladas,
Uma parte feliz,
E uma frase que diz:
(viva a toga do Rei)
- Nada esta acima da lei!
Venceu o Juiz!

ENCANTADAS DA CANÇÃO GAÚCHA – 2018 6º EDIÇÃO


REGULAMENTO

PROJETO ENCANTADAS DA CANÇÃO GAÚCHA – 2018
6º EDIÇÃO

Art. 1º – O Encantadas da Canção Gaúcha – 6º edição é um concurso de músicas inéditas, de cunho regionalista, que integra um projeto cultural produzido e executado pela O R F  Produtora.
Art. 2º - O evento será realizado nos dias 18 e 19 de maio de 2018, nas dependências do CTG Tropeiro Velho, situado na Rua Seis de maio, nº 381, centro – Santana da Boa Vista –RS.

OBJETIVOS:  Encantadas da Canção Gaúcha – 6º edição

Art. 3º - São objetivos:
a) Fomentar e incentivar a criatividade de compositores e intérpretes com letras e melodias identificadas à temática regional gaúcha;
b) Propiciar a revelação de novos talentos e facilitar a difusão de suas realizações artísticas;
c) Criar espaço para integração de artistas e pessoas ligadas à cultura musical sul rio-grandense;
d) Promover, através das atrações artísticas e culturais, a divulgação do município de Santana da Boa Vista;
e) Desenvolver na população em geral, o apreço pelas manifestações culturais sul-rio-grandenses.

ADMINISTRAÇÃO DO FESTIVAL
Art. 4º - Será constituída uma Comissão Organizadora para realizar o evento.
Art. 5º - Compete à Comissão Organizadora do Encantadas da Canção Gaúcha – 6º edição:
a) Receber as inscrições para o festival;
b) Contratar artistas de renome e popularidade para os espetáculos previstos.

INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO
Art. 6º - Poderão participar do Encantadas da Canção Gaúcha – 6º edição, compositores, músicos e intérpretes de qualquer parte do Brasil e de países vizinhos, desde que respeitada a proposta do evento, qual seja, de acolher temas identificados com o folclore, tradição, usos e costumes do Rio Grande do Sul.
Parágrafo primeiro: No ato da inscrição, os autores concordam, caso selecionados na triagem, em ceder o direito de gravação e divulgação de suas composições ao Encantadas da Canção Gaúcha, exceto os direitos autorais.
Art. 7º - É vedada a participação de familiares ou músicos envolvidos diretamente com os integrantes das comissões Organizadora e Avaliadora, bem como dos patrocinadores do evento.
Art. 8º - As inscrições ao Encantadas da Canção Gaúcha – 6º edição  devem ser enviadas até a data limite de 20 de abril de 2018, às 23:59:59, exclusivamente pela internet, para o endereço eletrônico: encantadas2018@gmail.com.
Art. 9º - As obras inscritas devem ser enviadas em e-mails separados, contendo em cada remessa, os seguintes itens:
a) Arquivo de áudio da música inscrita, exclusivamente em formato MP3;
b) Letra da composição, digitada em arquivo Word, fonte Arial 14 sem qualquer identificação dos autores;
c) Ficha de Inscrição, devidamente preenchida e assinadas, salvar em arquivo Word ou PDF.
d) Todos os arquivos exigidos para inscrição (áudio, letra e ficha de inscrição) devem ser nomeados com o mesmo título.
Parágrafo primeiro: Não serão admitidas inscrições emitidas por outros meios que não o descrito neste regulamento.
Parágrafo segundo: As inscrições que não obedecerem aos critérios aqui relacionados serão automaticamente ignoradas.
Parágrafo terceiro: As inscrições somente serão confirmadas após recebimento do número de protocolo que será enviada como resposta ao e-mail de inscrição.
Parágrafo quarto: Não serão contabilizadas as inscrições enviadas a outros endereços eletrônicos.
Parágrafo quinto: Não será cobrada taxa de inscrição
Art. 10º - Os compositores poderão encaminhar número máximo de 03 inscrições, sejam elas únicas ou em parceria, mas poderão ser classificadas, no máximo duas (02) por autor, individualmente ou em parceria.
Parágrafo único: no caso de excedência do número de inscrições estabelecido pelo presente regulamento, será utilizado como critério de exclusão a ordem das inscrições
Art. 11º - As composições deverão ser inéditas, tanto na letra, quanto na melodia, entendendo-se como tal
os trabalhos que não tenham sido gravadas em LP, CD, K-7, vídeo, comercial, filme ou similares, nem
divulgadas em sites, blogs ou redes sociais.
Parágrafo primeiro: Eventuais denúncias à cerca do não ineditismo de alguma obra concorrente ou referente a algum participante que não se enquadre neste regulamento, deverão ser encaminhadas por escrito, mediante a apresentação de provas concretas, até o final da apresentação da última música concorrente na primeira noite do festival.
Parágrafo segundo: As composições inscritas poderão ter participado de outros festivais, desde que não tenham sido finalistas ou que não integrem o CD do evento.
Art. 12º – As letras das músicas inscritas no  Encantadas da Canção Gaúcha – 6º edição  deverão ser versadas obrigatoriamente na língua portuguesa, podendo conter citações em línguas correntes dos países do Mercosul.
Art. 13º - Somente serão aceitas as inscrições cujos dados tenham sido informados na Ficha de Inscrição, cujo modelo está disponibilizado ao final deste regulamento.
Art. 14º - Após a inscrição de sua obra, o autor fica condicionado a não divulgação pública da mesma até a data do evento, sob pena de desclassificação.
Art. 15º - No ato da inscrição deverá ser informado um único responsável legal e financeiro sobre a obra, ficando a cargo deste, questões diversas e recebimento dos valores.
Parágrafo único: A produção e coordenação do festival se eximem de quaisquer problemas com a divisão de recursos provenientes deste festival, ficando sob responsabilidade do grupo tal definição.

TRIAGEM

Art. 16º - Será constituída uma Comissão Avaliadora, formada por três (03) integrantes dotados de idoneidade, capacidade técnica e que sejam reconhecidos e respeitados no cenário poético musical do Rio Grande do Sul.
Art. 17º - Encerrado o período para inscrições, a Comissão Avaliadora do  Encantadas da Canção Gaucha – 6º edição classificará 08 (oito) composições para concorrerem na Etapa Regional (local), exclusiva para autores de letra e de melodia, nascidos e ou radicados na cidade de Santana da Boa Vista, e 10 (dez) composições para concorrerem na Etapa Geral, aberta a participação de compositores de todo o Brasil, desde que respeitem o presente regulamento.
Parágrafo segundo: A relação das composições classificadas, data e ordem de apresentação no Encantadas da Canção Gaúcha – 6º edição, serão comunicados de forma individual aos seus autores, bem como nas redes sociais, com no mínimo 10 (dez) dias de antecedência em relação a data do festival.
Art. 18º - Após o comunicado oficial do resultado da triagem, os responsáveis por cada uma das músicas classificadas terão o prazo de 72 horas para envio de ficha técnica completa, na qual deverão constar os dados completos dos autores de letra e melodia, bem como os nomes dos músicos e do intérprete que defenderão a canção no palco do festival.
Art. 19º - Juntamente com a ficha técnica completa, com o mesmo prazo após a divulgação das classificadas (72 horas), deverá ser entregue AUTORIZAÇÃO DE GRAVAÇÃO, ASSINADA PELOS AUTORES.
Lembrando que a referida autorização poderá ser enviada em formato digital e o documento físico entregue no dia do evento durante o credenciamento.
Parágrafo único: A não entrega da AUTORIZAÇÃO DE GRAVAÇÃO e FICHA TÉCNICA COMPLETA no prazo estabelecido, acarretará na eliminação da música do festival.

COMPETIÇÃO E APRESENTAÇÃO
Art. 20º - As 08 (oito) músicas concorrentes  na ETAPA Regional, serão apresentadas na primeira noite do festival, a partir das 20 horas, obedecendo a ordem de apresentação elaborada e divulgada antecipadamente pela comissão organizadora. Após apresentação serão selecionadas 03 (três) canções para serem reapresentadas na noite seguinte, concorrendo em igualdade de condições com as 10(dez) músicas da Etapa Geral, como finalistas do 6º Encantadas da Canção Gaúcha.
Art. 21º – A passagem de som das músicas concorrentes será realizada entre às 13h e 17h do primeiro dia de festival, em horário previamente estabelecido pela organização, valendo os mesmos ajustes técnicos para os dois dias de evento.
Parágrafo primeiro: A comissão organizadora informará aos responsáveis pelas músicas concorrentes, a ordem da passagem de som e horário.
Parágrafo segundo: Cada obra classificada deverá obedecer aos horários previamente estabelecidos para passagem de som e apresentação no palco, sob pena do não recebimento integral do prêmio pela classificação.
Art. 22º - O tempo de execução da composição não deverá exceder a 05 (cinco) minutos.
Art. 23º - Serão permitidos, além de instrumentos musicais típicos do Rio Grande do Sul, todo e qualquer instrumento que o arranjador julgar necessário para melhor qualificação, desempenho e enriquecimento da obra classificada, sendo que o(s) autor(es) se responsabiliza(m) por sua introdução no palco.
Parágrafo Único: A Produção não colocará qualquer instrumento musical no palco, exceto uma bateria, sonorização e iluminação profissional com equipe técnica.
Art. 24º – Os intérpretes e os músicos participantes deverão apresentarem-se trajando a indumentária típica do Rio Grande do Sul.
Parágrafo Único: Ficam proibidas as vestimentas e/ou adereços contendo caracteres publicitários, discriminatórios e/ou de conotação política.
Art. 25º - Os conjuntos deverão ter no mínimo 03 (três) integrantes e não poderão defender, em grupo ou individualmente, mais do que 02 (dois) composições concorrentes tanto na fase Local como na Geral.

Parágrafo primeiro: O intérprete vocal poderá defender no máximo uma (01) música concorrente, nesta condição.

Parágrafo segundo: Aquele que atuar com intérprete em uma composição, poderá atuar, exclusivamente como instrumentista, em no máximo mais 01 (uma) músicas concorrentes;

Parágrafo terceiro: A apresentação que contrariar ao disposto neste artigo será automaticamente desclassificada.

Art. 26º - Os músicos deverão estar nos bastidores do evento em até 30 minutos anteriores ao horário marcado para as suas apresentações, assim evitando que não se apresentem ou prejudiquem a dinâmica do evento. Em caso de não apresentação em qualquer um dos dias, a música não concorrerá ás premiações previstas.
Art. 27º - Os intérpretes, músicos e os autores classificados reservam os direitos audiovisuais de sua obra ao 6º Encantadas da Canção Gaúcha, seja para divulgação, bem como para gravação.

CACHÊS E PREMIAÇÕES:
Art. 28º – Cada uma das 08 (oito) músicas classificadas  para Etapa Regional, receberão "cachê por classificação" no valor de R$ 1.200,00 (hum mil e duzentos reais) com desconto INSS de 11%, recebendo o líquido de R$ 1.068,00 (um mil e sessenta e oito reais);
Parágrafo Único: Sobre os valores incidirão os impostos previstos em lei.

Art. 29º - Os autores das 10 (dez) músicas classificadas para Etapa Geral, receberão um cachê por classificação no valor de R$ 2.400,00 (dois mil e quatrocentos reais) com desconto INSS de 11%, e I.R,  recebendo o líquido de R$ 2. 118,00. (Dois  mil cento e dezoito reais);
Parágrafo Único: Sobre os valores incidirão os impostos previstos em lei.
Art.30º - Os autores das três musicas da Etapa Regional,  a título de bonificação, o cachê de participação complementar, no valor de no valor de R$ 1.200,00 (hum mil e duzentos reais) com desconto INSS de 11%, recebendo o líquido de R$ 1.068,00 (um mil e sessenta e oito reais);
Parágrafo Único: Sobre os valores incidirão os impostos previstos em lei.


Art. 31º – A Comissão Organizadora se compromete a efetuar os pagamentos em CHEQUE, tanto dos cachês por classificação (logo após a apresentação em palco) quanto das premiações (após a divulgação do resultado).
Parágrafo primeiro: O responsável pela inscrição (ou terceiro com autorização previamente informada e com assinatura) deverá assinar comprovante de recebimento do valor da premiação;
Parágrafo segundo: Somente serão feitos os pagamentos a pessoa indicada na Ficha de Inscrição como representante legal e financeiro da obra, portando documento com foto, no qual conste RG, CPF e o nº do PIS/Pasep;

Art. 32º - Os destaques do 6º Encantadas da Canção Gaúcha, receberão a seguinte premiação:
Primeiro Lugar: R$  2.756,00+ Troféu Cardeal do Pago
Segundo Lugar:) 2.000,00+ Troféu Ponta de Tropa
Terceiro Lugar: R$ 1.200,00+ Troféu Lua na Garupa
Melhor Intérprete: R$ 600,00+ Troféu Alma na Garganta
Melhor Instrumentista: R$ 600,00+ Troféu Timbre do Pampa
Melhor Letra: R$ 600,00+ Troféu Jayme Caetano Braun
Melhor Melodia: R$ 600,00+ Troféu Voz do Minuano
Melhor Tema sobre Santana da Boa Vista: R$ 600,00+ Troféu Cria da Terra.

Parágrafo único: os valores das premiações não terão descontos de impostos. Os valores são isentos de impostos, exceto a premiação de primeiro lugar.

DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 33º – Os casos omissos no presente regulamento, bem como eventuais dúvidas surgidas durante a realização do evento, serão resolvidos pela Comissão Organizadora.
Art. 34º – As deliberações da Comissão Avaliadora serão soberanas, não cabendo nenhuma contestação.

Informações:

ORF PRODUTORA                                                
 (55) 99672-4816 (Rita Ferreira)

FICHA DE INSCRIÇÃO
   
6ª ENCANTADAS DA CANÇÃO GAÚCHA

FICHA DE INSCRIÇÃO


Etapa Regional (LOCAL)                                  Etapa Geral


Titulo da Música:                                                                                                                                                                                                                                                                       Autor da Letra:                                                                                                                                                  Endereço:                                                                                                         Cidade:                                 Telefone: (  )                                                                           UF:                CEP:                                         CPF:                                           RG:                                             PIS/PASEP:                                           
Email:                                                                                                                                                               

Autor da Melodia:                                                                                                                                             Endereço:                                                                                                         Cidade:                                 Telefone: (  )                                                                             UF:                  CEP:                                    CPF:                                           RG:                                             PIS/PASEP:                                           
Email:                                                                                                                                                               

Pessoa credenciada a receber o Cachê por Classificação:
Nome completo:                                                                                                                                              Endereço:                                                                                            Cidade:                                              Telefone: (  )                                                                           UF:   CEP:                                                      CPF:                                              RG:                                             PIS/PASEP:                                           
Email:                                                                                                                                                             

DECLARAÇÃO: Declaro (amos) que as informações contidas nesta Ficha de Inscrição são verdadeiras e que ao enviá-la estou(amos) aceitando as condições de participação e concorrência propostas no Regulamento, bem como estamos cientes do contido no Art. 11º - que no caso de classificação devo entregar, até a data do evento, a autorização para gravação de CD, com firmas reconhecidas em Cartório, sob pena de desclassificação e não inclusão no disco.


                                                        ,                    de                                            de 2018.








Autor da Letra                                                                          Autor da Melodia